• Creio

A salesianidade em São Felipe Neri

O santo da alegria foi profundamente salesiano!

Hoje 26 de Maio, a Igreja celebra a memória de S. Felipe Neri, o santo da alegria e fundador da Congregação do Oratório (Oratorianos). Dizer que São Felipe Neri é um santo profundamente salesiano, parece contraditório, visto que o santo fiorentino nasceu em 1515, ou seja, 300 anos antes de Dom Bosco (1815), porém foi contemporâneo de S. Francisco de Sales (1567- 1622).

Quando ainda era jovem, Francisco de Sales encontrou-se pessoalmente com Felipe Neri, já idoso, fato expressado no quadro (abaixo) de Francesco de Mura (1771) que retrata o afetuoso abraço fraterno entre estas duas colunas da espiritualidade moderna da Igreja. Da beleza desta obra renascentista, algo que chama atenção é a leveza dos traços e das cores de modo a dar a impressão que os dois personagens parecem estar privos de peso e flutuando entre os anjos, técnica que visa revelar a mística de um profundo encontro espiritual que sintetiza a transmissão de uma missão: Renovar a Igreja por meio da santa alegria em Cristo Jesus.


Homem culto, dotado de particular sensibilidade humana aliada a um refinado bom humor, Felipe Neri, destacou-se de tal modo em seu estilo de pregador na cidade de Roma, que era chamado "o segundo Apóstolo de Roma". Além de grande pregador, foi um qualificado confessor e guia espiritual, um fato em particular, o rendeu eterno na história: Conta-se que uma mulher, que tinha o hábito de falar sobre os outros, após a confissão, foi ordenada pelo santo a arrancar as penas de uma galinha morta na rua e depois recolher todas as penas levadas para longe pelo vento. Quando perguntada por que, por parte da mulher, ela respondeu que era como sua boca ruim, suas palavras se espalharam por toda parte, mas elas não podiam mais ser reunidas, ou seja, a dimensão social do pecado.

Outro fato memorável é sintetizada na frase título da música acima: "Eu prefiro o paraíso". Sendo uma figura estimada e muito querida pelo povo romano, Felipe foi indicado para receber o chapéu cardinalício, e recusou o status de príncipe da Santa Romana Igreja para continuar seu ministério como um simples sacerdote, operário da Messe de Jesus Cristo, pois segundo ele, o poder e as glórias nesta terra, não nos levam ao paraíso celeste.

E o que há com Dom Bosco?

Nosso amado Dom Bosco, conheceu a figura e a espiritualidade de S. Felipe Neri durante os anos de estudos filosóficos e teológicos na cidade de Chieri. O seminário diocesano se encontrava no complexo construído pelos padres do Oratório (Congregação fundada por S. Felipe). Todo aquele espaço formativo, fazia memória a vida do santo: a imagem colocada diante da escadaria que dava acesso aos quartos, o grande relógio de sol no pátio, com a famosa frase de inspiração FilipinaAfflictis lentae, celeres gaudentibus horae” (As horas transcorrem lentas para quem é triste, e veloz para quem é alegre). O que influenciou diretamente a pastoral de Dom Bosco, sobretudo na sua pedagogia oratoriana voltada a sanidade e alegria "A santidade consiste em estarmos sempre alegres".

Dom Bosco tinha por S. Felipe Neri, uma singular devoção inspiradora e estimulante, o considerava modelo do clero e do laicato católico, pois via nele um ícone da Reforma católica mediante a sua santa cooperação e seu vivo zelo apostólico, resgatando o fervor da fé dos primeiros cristãos.

Enfim, há muitos outros elementos na espiritualidade salesiana que podemos conectar com a figura de S. Felipe Neri, um convite para aprofundar ainda mais as raízes da nossa espiritualidade suscitada pelo Espírito Santo de Deus.

Fontes:

Giovanni Bosco, Il giovane provveduto per la pratica dei suoi doveri..Torino, Tipografia Paravia e Comp. 1847, p. 13 (Oe II. 193).

Aldo Giraldo- IL PANEGIRICO DI DON BOSCO IN ONORE DI SAN FILIPPO NERI (1868)

http://www.salesian.online/wp-content/uploads/2019/08/3-Giraudo-Ed.-Il-panegirico-di-don-Bosco-in-onore-di-san-Filippo-Neri-1868.-Edizione-critica.pdf

Theodore Maynard - Il buffone di Dio. Vita di san Filippo Neri

0 visualização

©2020 por Danilo Guedes