• Creio

A tradição de pintar ovos: Do paganismo ao cristianismo.


Páscoa, do hebraico, Pesach, passagem dos filhos de Israel da escravidão no Egito, mas sobretudo a vida nova em Jesus Cristo, a libertação da morte do pecado para a graça da ressurreição. A sabedoria dos primeiros cristãos, de inculturação do Evangelho, é algo que temos muito a aprender, um exemplo claro é a inserção do ovo e do coelho na simbologia pascal.

Quando o Cristianismo se estabeleceu no norte Europeu (séc. VIII), muitas tradições pagãs continuaram existindo, porém foram atribuídos novos significados. Eis o caso do ovo e do coelho. Ok! Mas se o coelho é mamífero, e logo não bota ovo, então o que tem a ver o 08 com 80? Quem já não se fez esta clássica pergunta?

Pois bem, na verdade este símbolo pascal não vem da época de Jesus e muito menos da tradição dos primeiros cristãos, mas da cultura dos povos bárbaros de onde hoje se encontra a Alemanha, onde a população prestava culto a vários deuses, dentre os quais Eostre (deusa da fertilidade).

Segundo a lenda, numa tarde de primavera a deusa transformou uma pomba em um coelho e o deu de presente para as crianças. Estas, porém, constatando que o coelho estava triste, pediram a Eostre que o transforma-se novamente em pomba, no entanto era já inverno e a deusa não havia mais forças. Quando voltou a primavera, a deusa da fertilidade retomou suas energias e o transformou em pomba, como gratidão botou ovos coloridos e os deu de presente às crianças. Já a questão do chocolate foi invenção francesa criada muito tempo depois, ainda hoje na Alemanha e no sul do Brasil se conserva a tradição pintar os ovos galinha em família e recheá-los de chocolate. Um belo sinal de vida nova e de partilha, que nos recorda a doação total de Cristo por amor a nós!

Que tal aproveitar este período em casa e resgatar este elemento da tradição cristã?

Junte sua família, prepare os ovos, e presenteie seus amigos!


Compartilhe esta ideia!

#Páscoa #Família #Criatividade #Alegria #Ovos #Coelho

0 visualização

©2020 por Danilo Guedes