• Fabio Camilo Biscalchin

Qual a esperança? O que se espera, do sistema educativo salesiano.

Segunda parte da série de estudos:

"Transformar a cultura para transformar a sociedade".

1. A esperança de que os salesianos sempre tenham como critério de verdade ‘estar ao lado dos mais pobres’.

Afinal, Dom Bosco fez a opção preferencial pela «juventude pobre, abandonada, periclitan­te» (Memórias Biográficas XIV, 662), pensando que a pobreza seria um sinal de que o Reino de Deus ainda não estaria em nosso meio (Constituições Salesianas, §26 Jovens a quem fomos enviados).

Em consonância com a Igreja que busca “salvar a pessoa do homem e de restaurar a sociedade humana”, pois, “nenhuma ambição terrena deveria mover a Igreja, mas, unicamente, este objetivo: continuar, sob a direção do Espírito Consolador, a obra de Cristo que veio ao mundo para dar testemunho da verdade (Cfr. Jo. 18,37.), para salvar e não para julgar, para servir e não para ser servido (Cfr. Jo. 3, 17; Mt. 20, 28; Mc. 10,45.)” (Gaudium et Spes, 3).

2. A Esperança de que os salesianos, com seu sistema educativo, nunca deixem de mirar e de ter como finalidade, a transformação social em busca do Reino de Deus, de Amor e Justiça.

A educação salesiana, - ao perceber que “os jovens dos meios populares, que se preparam para o trabalho, e os jovens trabalha­dores, encontram-se frequentemente em dificuldades e são facilmente alvo de injustiças” - almeja tornar os jovens “idôneos para ocupar com dignidade o seu lugar na sociedade e na Igreja e para tomar consciência do seu papel na transformação cristã da vida social” (Constituições Salesianas, §27 Jovens do mundo do trabalho).

A comunidade eclesial crê que “o dever de justiça e caridade cumpre-se cada vez mais com a contribuição de cada um em favor do bem comum, segundo as próprias possibilidades e as necessidades dos outros, promovendo instituições públicas ou privadas e ajudando as que servem para melhorar as condições de vida dos homens.” Deste modo, a educação parece ser o caminho por excelência para “fazer os indivíduos e grupos cultivarem em si mesmos e difundirem na sociedade as virtudes morais e sociais, de maneira a tornarem-se, realmente, com o necessário auxílio da graça divina, homens novos e construtores duma humanidade nova” (Gaudium et Spes, 30). Esta humanidade nova é a finalidade da educação salesiana. Se ela não visa alcançar esta nova vida, ela perde a razão de existir.

3. A esperança de que a Experiência Original de Dom Bosco, realizada em Valdocco, seja o diferencial educacional para a realização do Reino de Deus em nosso meio.

Um Reino pautado na verdade de estar ao lado dos mais pobres.

O primeiro oratório foi para os jovens:

- Casa que acolhe,

- Paróquia que evangeliza,

- Escola que forma para a vida e

- Pátio para se encontrarem como amigos e viverem em alegria.


Os sinais dos tempos sempre indicam que estes quatro elementos nunca serão valores obsoletos, ao contrário, serão sempre elementos proféticos que posicionam a educação como serviço em favor da mensagem de Cristo, da presença da graça de Deus como advento de seu reino, que nos impele, através de um processo educativo, a ter um “novo estilo de vida” e, por isso, uma “nova cultura”, “uma nova humanidade” (Constituições Salesianas, §41 Critérios inspiradores das nossas atividades e obras).

4. A esperança da crença de que a presença física educativa em meio aos jovens, e não a “mentira dos pátios virtuais”, favore­ce todas as suas iniciativas de crescimento no bem e os encoraja a libertarem-se de toda a escravidão, a fim de que o mal não domine a sua fragilidade (Constituições Salesianas, §39 Assistência como atitude e como método).

5. A esperança de que a presença física educativa, além de abrir ao educador o conhecimento vital do mundo juvenil, possibilita a efetiva transformação da sociedade através da construção de uma cultura de solidariedade, com todos os aspetos autênticos do seu dinamismo. (Constituições Salesianas, §39 Assistência como atitude e como método). Esta nova cultura de solidariedade, sinal do Reino de Deus, oferece a liberdade juvenil, a possibilidade de uma transformação pessoal, visível no amadurecimento de suas convicções sólidas, que progressivamente os ajuda no processo de crescimento da sua humanidade na fé (Constituições Salesianas, §38 Sistema Preventivo na nossa missão).

6. A esperança na crença de que tudo isto acontece através da comunidade educativa pastoral, como a comunidade de Valdocco, onde todos estão coenvolvidos “no espírito salesiano e na prática do Sistema Preventivo”, na busca de tornar esta comunidade “reveladora do desígnio de Deus”: uma sociedade mais justa e humana, onde todos tenham vida e vida em abundância (Constituições Salesianas, §47 Comunidade educativa e leigos associados ao nosso trabalho).

Acompanhe a terceira e última parte deste estudo em BREVE.

22 visualizações

©2020 por Danilo Guedes