• Creio

Transformar a cultura para transformar a sociedade.


Prof. Me. Fabio Camilo Biscalchin

Primeira parte

Bons Cristãos e Honestos Cidadãos: O Sistema Preventivo Salesiano somente é verdadeiro quando transforma a pessoa e a sociedade.

[A] Premissas.

[1] Não basta o paliativo. É preciso a cura.

No sistema atual, no modelo social atual, é quase impossível ser honesto cidadão seguindo a proposta de estilo de vida cristão. Sendo assim, ou se cria uma autoenganação coletiva para se proporcionar um falso alívio, fantasiando que “foi feito o melhor possível”, ou se transforma a sociedade para então existir a condição de uma vida honesta, como uma opção de escolha de nossa liberdade.

[2] Honesto cidadão e bom cristão não são duas ações, duas virtudes, separadas. Não se é um honesto cidadão, por exemplo, buscando uma vida profissional bem-sucedida para prover o sustento para família, e, nem se é um bom cristão, estando apenas engajado nas atividades religiosas no final de semana. Não! As duas ações estão unidas intrinsicamente, são inseparáveis. Na lógica de Dom Bosco, as virtudes do bom cristão são o fundamento para o honesto cidadão. Logo, aquilo que se é como cristão não deve ser vivenciado apenas nos finais de semana enquanto participante de uma comunidade de fé, ao contrário, o estilo de vida cristão deve acompanhar todas as decisões da vida. Se agíssemos assim, certamente já estaríamos transformando a sociedade.

[3] A educação, sendo uma das responsáveis para a elaboração da segunda natureza do ser humano, é fator contribuinte para a transformação social, desde que ela tenha como finalidade a “formação integral” fundada na convicção de que a “verdade é estar ao lado dos mais pobres”.

[4] A todo momento tem-se a impressão de que não existe saída para este modelo de sociedade. Este é o primeiro equívoco que um educador precisa superar, ainda mais um educador vinculado a uma instituição confessional que professa a esperança na ressurreição e naquilo que aparentemente é impossível. Deste modo, ou a educação confessional visa à transformação social ou, esta educação perpetuará os grilhões que nos manterão presos a uma vida de falsidades, ‘fazendo de conta’ que somos honestos cidadãos segundo a proposta cristã minimalista dos finais de semana e, no restante da semana, esquecendo-a para podermos sobreviver neste mundo que nos faz escravos e não livres. Afinal, a fundação da lógica de vida deste mundo é a construção de um ‘reino’ de disputas e conflitos, fruto da exagerada competitividade, que visa à sobrevivência através da dominação política e econômica diversa da fundação lógica da proposta cristã, que é o ‘reino de Deus’, de Amor e de Justiça.

[5] Para os salesianos, em consonância com o Magistério da Igreja, um dos caminhos de transformação da pessoa e da sociedade se faz através da educação, mais especificamente, através do ‘sistema preventivo’.

[B] Os fundamentos da educação salesiana.

[6] Mas, o que a proposta salesiana entende por educação? E o que se espera de um processo educativo salesiano? A resposta pode ser encontrada no “Livro da Regra, que é para os salesianos, o tes­tamento vivo de Dom Bosco” (Proêmio das Constituições Salesianas). As regras, ou as constituições dos salesianos, são compostas de quatro partes; nas duas primeiras partes, Os Salesianos de Dom Bosco na Igreja (Parte 1) e Enviados aos jovens em comunidade no seguimento de Cristo (Parte 2), encontram-se as convicções e os fundamentos da razão de existir dos salesianos. Pode-se dizer que a essência, o alicerce, o solo d’onde brota a salesianidade está aí plantada. E daí deveria se originar toda e qualquer reflexão e ação do educar e do agir salesiano.

[7] Para as duas questões acima propostas, eis o que dizem as constituições:


[a] Qual o entendimento de educação para os salesianos:

1. Educar é indissociável de evangelizar, afinal, educar é promover o advento do Reino de Deus (Evangelii nuntiandi, Exortação apostólica de Paulo VI,1975, §31). (Constituições Salesianas, §31 Promoção Integral).

Este princípio é estarrecedor! Por exemplo, seria impensável diante desta propositura, a ideia de uma escola/universidade salesiana não possuir uma direção trinitária. As decisões deveriam ser tomadas por um diretor de pastoral (religião), por um diretor acadêmico (razão) e por um diretor pedagógico (amabilidade). Uma escola/universidade salesiana tem um sentido: promover o advento do Reino de Deus. Este sentido de finalidade deve orientar toda estrutura acadêmica: o seu carisma, sua qualidade de ensino e a sua sustentabilidade. Confirmando assim o modo/método educativo do Sistema Preventivo.

2. Educar/evangelizar segundo um pro­jeto de promoção integral do homem orientado para Cristo, homem perfeito (Gaudium et spes, Constituição do Concílio Vaticano II, §41), para garantir as condições de «cidadãos honrados e bons cristãos» (Piano di Regolamento per l’Oratorio, 1854 (Memórias Biográficas II, 46). (Constituições Salesianas, §31 Promoção Integral).

Formar para gerar números estatísticos, quantidade de alunos que conseguiram êxito nas provas de vestibulares, ou quantidade de alunos bem-sucedidos ao término de uma graduação, é decretar a morte de todo sonho de vida de Dom Bosco. O Reino de Deus é a finalidade de todo o projeto educativo de Dom Bosco, fundado na caridade, no amor. Ele visava a transformação pessoal e social, e não apenas um reconhecimento temporário de um mero êxito alcançado com uma mera aprovação de uma sociedade “injusta, meritocrática e excludente”. Um cidadão honrado não é aquele bem-sucedido para o mercado, mas é aquele que entende que o sentido da vida, ser bom cristão, é ser inteligente para encontrar um modo de viver onde todos tenham vida e vida em abundância.

3. Educar/evangelizar segundo a verdade, que é a proposta de Jesus, de estar ao lado dos mais pobres para lhes garantir a justiça, que é o Reino de Deus, e, assim, garantir uma liberda­de responsável, que suscita nos educandos a convicção e o gosto pelos valores autênticos que os orientam para o diálogo e para o serviço (Constituições Salesianas, §32 Promoção Pessoal).

A educação não é para o mercado, para inserir o jovem no mercado, mas para transformar o mercado, transformando a sociedade. A educação precisa ser fundada na inteligência que garante a liberdade de pensar, e, por isso, de criar “novos mundos”. A educação não é conformadora. Ela não deve se pautar em análises feitas por consultorias que, sem conhecer o carisma salesiano, simplesmente está preocupada em reposicionar o ensino para continuar alcançando lucratividade, custe o que custar.

4. Educar/evangelizar segundo o sistema preventivo. «Este sistema baseia-se totalmente na razão, na religião e na amabilidade» (Memórias Biográficas XIII, 919): apela não para a coação, mas sim, para os recursos da in­teligência, do coração e do desejo de Deus que todo o homem traz no mais íntimo de si mesmo (Constituições Salesianas, §38 Sistema Preventivo na nossa missão).

A Igreja, em sua formatação originária, sempre privilegiou a formação integral da pessoa e, Dom Bosco, em sua sabedoria, continua entendendo a pessoa em sua totalidade; a formação por ele proposta visa um sentido para a vida (religião), que precisa ser entendido (razão) e vivenciado plenamente (amabilidade). Dom Bosco não é somente emoção, ao contrário, a amabilidade acontece quando se tem o convencimento pessoal de que a vida só tem sentido quando se é garantida a Justiça para todos, e, por isso, a vida em abundância.

5. Educar/evangelizar segundo o sistema preventivo requer a simpatia e a vontade de contacto com os jovens. «Sinto-me bem aqui, no meio de vós. A minha vida é pre­cisamente estar convosco» (Memórias Biográficas IV, 654). (Constituições Salesianas, §39 Assistência como atitude e como método).

A ‘vontade de estar em contacto com os jovens’ requer ações ousadas, como por exemplo, a reestruturação da quantidade de casas salesianas numa inspetoria. Se no passado os números de salesianos eram elevados, e se nos dias atuais estes números diminuíram, pode-se levantar a hipótese de que esta queda numérica se deve à ausência de presença testemunhal da vida religiosa salesiana. Poucos salesianos com muitas casas fazem com que estes se ocupem de coisas administrativas/burocráticas e se tornem alienados do verdadeiro sentido de suas missões: “sentir-se bem no meio dos jovens, afinal, suas vidas deveriam ter por premissa, estar com eles”.


Acompanhe a segunda parte deste estudo EM BREVE.

- Primeira parte de uma série de 03 artigos sobre com o tema: Transformar a cultura para transformar a sociedade.


0 visualização

©2020 por Danilo Guedes